Sono do bebê, o que fazer então?

Pra evitar esta situação que poderá levar o seu filho a acordar mais vezes, por um tempo maior do que o necessário, no meio da noite, há 2 possibilidades:

Colocá-lo para dormir no quarto dele, no berço dele e ficar no seu quarto e no seu “berço”. O seu quarto não deve ser assim tão distante do dele. Assim sendo, não se preocupem. Se ele chorar vocês certamente ouvirão. O seu sono é muito pesado ou vocês não ficam sossegados assim ? Coloquem um intercomunicador (babá eletrônica) no quarto dele e, mesmo assim, aguardem um pouco após o início do choro. Em uma grande parte das vezes, o recém nascido chorará por alguns segundos e dormirá (se é que ele acordou).

Deixá-lo em seu quarto, com vocês, no berço dele ou no cestinho, mas nunca na cama com vocês. Neste caso, ajam como se ele estivesse no outro quarto. Sem vê-lo e sem que ele os veja, é mais fácil a observação.

Nunca o coloque para dormir na mesma cama que vocês e nem permitam que a presença do filho na cama faça o pai ir dormir em outro local, que é normalmente o que acontece. Há de se ter um limite para isso. Quando o recém nascido está na cama, entre vocês, o seu sono normalmente não é tranqüilo, pelo medo de sufocá-lo se virando sobre ele ou, sem querer, de empurrá-lo para fora da cama. Se o sono de vocês fica superficial assim, ele não é repousante.

Lembrem-se: amanhã, vocês dois têm o que fazer e precisam estar atentos e descansados para isso. Após 15 dias sem dormir direito, a qualidade do despertar não é a mesma e acidentes podem acontecer (no trânsito, no trabalho, em casa).

Além disso, quando o recém nascido está na sua cama, a mamãe pode ficar tentada a amamentá-lo deitada. Algum de vocês já tomou refrigerante deitado ? O refrigerante vai para o nariz. Por dentro, há uma comunicação entre a boca, as orelhas, o nariz e a garganta e o leite, quando é ingerido deitado, pode se desencaminhar e provocar infecções de ouvido, de seios da face e até, mais grave, uma aspiração do leite para os pulmões.

Saiba mais sobre o assunto com Dr Moises Chencinskiwww.doutormoises.com.br





Deixe um comentário